2017-2019 PORTUGAL

PESQUISA SOBRE CESTARIA PARA UMA FUTURA EXPOSIÇÃO

 

A cestaria é uma das tecnologias mais antigas da história da humanidade. É também extremamente sustentável, inserindo-se na perfeição no ciclo biológico. Como tal, merece receber uma nova vida. Os cestos foram, em tempos, um objecto básico do quotidiano com inúmeras utilidades, tais como: acomodar compras, transportar peixe, uvas ou azeitonas acabados de apanhar, guardar itens tão diferentes como frutos secos e novelos de lã ou servir de recipiente para a venda de sementes e grãos. Os objectos em vime eram ainda usados como móveis, peças decorativas ou acessórios de moda.

Os cesteiros são geralmente uma população envelhecida e enfrenta uma série de dificuldades:

  • O valor monetário decrescente do produto em si;

  • A falta de interesse em aprender a técnica por parte das gerações mais jovens; 

  • Concorrência feroz, principalmente vinda do estrangeiro;

  • Acesso limitado aos mercados.

A Passa Ao Futuro, através de uma colaboração com o Museu Nacional de Etnologia e o Museu de Arte Popular, tem estado a fazer uma investigação sobre a cestaria em Portugal. A partir de uma pesquisa nas colecções de ambos os museus e de um levantamento de artesãos cesteiros no activo. Os resultados serão exibidos numa exposição, no Outono de 2019, no Museu de Arte Popular, com curadoria de Passa Ao Futuro.